Montanha Magica* Arte e Paisagem
Universidade da Beira Interior (Pt)
29 outubro – 9 novembro 2018

http://montanhamagica.ubi.pt/

O protocolo ERASMUS+ entre a Escola Superior de Arte de Aix en Provence (ESAAix) e a Universidade da Beira Interior (UBI) foi assinado em 2017.
O Projeto Entre Serras, rota de arte contemporânea, agricultura e biodiversidade (PES), o programa de pesquisa Walking The Data da Escola Superior de Arte de Aix en Provence (ESAAix)   e  os departamentos multi-media e arquitetura da UBI propõem:
(Résumé du workshop en français en fin de page)

MM* ws+conf low_Ws

contacto : Carlos Casteleira + 33662363950 | carlos.casteleira@ecole-art-aix.fr

programa :

 

 

Apresentações

Rui Simão, Diretor Aldeias de Xisto  Sobral de São Miguel Partida do autocarro : 9h15 segunda feira 29 de outubro – Rotunda do Rato da Covilhã

Abraham Poincheval e François Parra, artistas e professores na ESAAix Walking the Data 30 outubro 11h30 –  Real Fabrica Veiga do Muslan

Jürgen Nefzger, artista e professor na ESAAix Landscapes of Economy 31 novembro 11h30 – New Hand Lab

MM* ws+conf low_conf

Visitas

Sobral de São Miguel, Rui Simão, Diretor das Aldeias de Xisto,  partida do autocarro : 9h15 segunda feira 29 de outubro Rotunda do Rato – Covilhã

Museu dos Lanificios (Muslan) Rita Salvado, Diretora Adjunta do Museu 30 outubro  9h30 Encontro : Real Fábrica de Panos – Rua Marquês d’Ávila e Bolama Tel + 351 241 410

UBI Rita Ochoa, Sara Esteves professoras de arquitetura e design multi-media e Francisco Paiva de Media Arte 30 outubro 14h Ponto de encontro : Arco da UBI (em cima)

Caminhada pela Ribeira da Goldra e Bairro da Alegria Rita Ochoa, 30 outubro 16h Ponto de encontro : Tinturaria

Caminhada pela Ribeira da Carpinteira e New Hand Lab Francisco Afonso, 31 outubro 9h30. Ponto de encontro : cruzamento Calçada das Poldras / Eixo Teixoso Canhoso Tortozendo.

Conferências

8 – 9 novembro | UBI

programa completo : http://montanhamagica.ubi.pt/

Carlos Casteleira, professor assistente na Escola Superior de Arte de Aix en Provence – novembro 11h –  UBI 

O PES e a Paisagem | Walking the Data : Projeto Entre Serras, agricultura e biodiversidade (PES) de rota de arte contemporânea entre Portugal e Espanha convida artistas para realizarem, numa cooperação com as comunidades, ações experimentais e documentais comprometidas com a natureza e os territórios. A relação entre o campo e a cidade está no centro do projeto, pois foi e é ainda o campo que alimenta as cidades com os seus produtos e imaginário.

Observatório da Paisagem, uma base de dados relacional entre fotografia, cartografia, território, corpo e paisagem constitui um elemento fundamental deste projeto.

Nos trabalhos de Micaela Vivero, Rodrigo Braga, Erik Samakh e dos estudantes do workshop Walking The Data (exposição no MUSLAN) é a paisagem e a sua relação com as energias e os matérias que é contemplada.

Rodrigo Braga, artista,  16h  – 8 de novembro – UBI

Ambiente e atitude artística. O artista fará uma apresentação panorâmica dos trabalhos mais significativos de sua trajetória, com ênfase em obras que envolvem seu próprio corpo em ação no espaço, lidando com matérias naturais, alterando paisagens e situações existentes, para a construção de universos ficcionais que nascem da observação e imersão no ambiente a partir de vivências reais in loco, fazendo surgir confabulação em fotografias e vídeos.

Nascido em Manaus, Brasil, em 1976, Rodrigo Braga logo mudou-se para Recife, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE (2002). Atualmente vive entre Paris e Rio de Janeiro. Expondo desde 1999, em 2012 participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo; um ano depois exibe a obra Tônus no Cinema do MoMA PS1 e, em 2016, realizou individual no Palais de Tokyo, Paris. Recebeu alguns dos prêmios mais importantes do Brasil, como, em 2012, o Prêmio Pipa/MAM Rio de Janeiro e, em 2013, o Prêmio MASP Talento Emergente (São Paulo). Possui obras em acervos particulares e institucionais em diversos países, como MAM São Paulo e Maison Européene de La Photographie, em Paris.

www.rodrigobraga.com.br

 

Jean Cristofol, Professor de filosofia da ESAAix, 11h30 – 9 de novembro UBI

Geografias do invisível. A questão que se coloca nesta conferência é a da relação entre três elementos: « dispositivos cartográficos » (modelos teóricos, sistemas tecnológicos, contextos econômico-políticos, formas de representação), a invenção de territórios e os experimentos artísticos que lhes correspondem. Em particular, trata-se de mostrar como a partilha entre o visível e o invisível é representada e como os artistas brincam com as diferenças entre esses dois termos. Deste ponto de vista, veremos que os espaços « críticos » se tornam desafios e testemunhas. é o caso da montanha, mas também do mar e do deserto. São então esses « espaços » que se tornam reveladores do que esta em jogo entre o mapa e o território.

Exposição da oficina Walking the Data | MM*

8 novembro > 30 novembro – Instalações da oficina na New Hand Lab

EXPO_NewHandLab_PNG

Exposição do Projeto Entre Serras de Rodrigo Braga, Micaela Vivero, Erik Samakh + oficina Walking the Data

EXPOMUSLAN_IMPRIM.png

EXPOMUSLAN_IMPRIM_PNG.png


8 novembro > 17 dezembro 2018, inauguração no Museu dos Lanifícios as 18h

Micaela Vivero, Rodrigo Braga e Erik Samakh  + Zixuan HE, Priscila LIMA, Lola DUBUS, Binjee LUAN, Leslie ASTIER, Angela MAYA (ESAAix). Virgínia GARBIN, Pedro FERNANDES, António DIOGO, Luis GONÇALO (UBI)

RODRIGO BRAGA

Ambiente e atitude artística
O artista fará uma apresentação panorâmica dos trabalhos mais significativos de sua trajetória, com ênfase em obras que envolvem seu próprio corpo em ação no espaço, lidando com matérias naturais, alterando paisagens e situações existentes, para a construção de universos ficcionais que nascem da observação e imersão no ambiente a partir de vivências reais in loco, fazendo surgir confabulação em fotografias e vídeos.

Rodrigo Braga – Nascido em Manaus, Brasil, em 1976, logo mudou-se para Recife, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE (2002). Atualmente vive entre Paris e Rio de Janeiro. Expondo desde 1999, em 2012 participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo; um ano depois exibe a obra Tônus no Cinema do MoMA PS1 e, em 2016, realizou individual no Palais de Tokyo, Paris. Recebeu alguns dos prémios mais importantes do Brasil, como, em 2012, o Prémio Pipa/MAM Rio de Janeiro e, em 2013, o Prémio MASP Talento Emergente (São Paulo). Rodrigo Braga é convidado pelo Projeto Entre Serras e será o próximo artista a realizar uma residência com apresentação do seu trabalho no Museu de Arqueologia do Fundão com o apoio da Câmara Municipal. Possui obras em acervos particulares e institucionais em diversos países, como MAM São Paulo e Maison Européenne de La Photographie, em Paris.www.rodrigobraga.com.br

RB.png

MICAELA VIVERO

Corrente
A existência de abundantes cursos de água na Covilhã foi uma das razões fundamentais para a implantação da indústria têxtil na cidade. Durante um mês de residência artística no Museu de Lanifícios da Universidede da Beira Interior olhei para os múltiplos aspectos do uso da água. Com esta obra, intitulada precisamente Corrente, quero ressaltar a importância da água enquanto recurso fundamental no processo de criação têxtil e simultaneamente realçar a beleza e a presença no espaço do tanque de água, uma estrutura arqueológica preservada. Recorrendo à cor e a uma certa direccionalidade, pretendi potenciar o imaginário sobre a iminente presença da água.

Micaela Vivero é equatoriana. Trabalha e reside actualmente em Ohio nos Estados Unidos, sendo professora na Universidade de Denison. O seu trabalho artístico tem sido exposto em grupo e individualmente no Equador, Colômbia Brasil, Estados Unidos da América, Espanha, Irlanda, Finlândia, Áustria, Suíça, Bulgária, Arménia e Portugal. Realizou em Abril de 2018 uma residência artística no Museu de Lanifcios da Universidade da Beira Interior numa parceria com o Projecto Entre Serras.

MV

ERIK SAMAKH

Exposição, instalações – Pirilampos

Erik Samakh é um artista plástico que trabalha com novas tecnologias e elementos naturais frequentemente sonoros e luminosos, estabelecendo um diálogo constante entre o homem e a natureza, onde o espaço se torna um lugar de escuta. Professor das Escolas Nacionais Superiores de Arte, em França, desde 1989. Muitos dos seus trabalhos foram realizados em espaços naturais como parques nacionais ou regionais ou reservas geológicas (Réserve géologique de Digne les Bains, 1° Géopark da UNESCO, Parque Nacional de Tijuca no Rio de Janeiro, Centre international d’art et du paysage de Vassivière, Parque National de Jirisan na Coreia do Sul e outros locais). Em 2017, a intervenção de Erik Samakh nas serras envolvidas no Projeto Entre Serras (Açor, Estrela, Gardunha, Malcata/Mesas), consistiu na instalação de luzes em lugares emblemáticos que, no seu conjunto, simbolizam a Rota da Arte contemporânea. As pequenas luzes LED, alimentadas por energia solar, foram concebidas por Erik Samakh para imitar o pulsar de pirilampos durante a noite, criando lugares poéticos e proporcionando aos turistas e visitantes uma experiência de integração com o meio envolvente. Os pirilampos são visíveis ao cair da noite. Protocolos de visitas e de sensibilização à arte contemporânea foram e vão ser acionados com a colaboração de grupos de caminheiros, escolas e outras entidades ligadas a natureza e ao turismo. Passo a passo, vai-se revelando a rota: pioneiras, as pequenas luzes iluminam o espaço, deixando indícios e rastos, memórias de futuros reencontros com os homens que constroem as paisagens. http://www.documentsdartistes.org/artistes/samakh/repro.html

ES


WALKING THE DATA

Walking the Data realizou sessões no Porto em fevereiro 2016 numa parceria com a FBAUP e o GRILO em Lisboa em março 2017 (clic para ver a plataforma digital):

Walking the Data

WTD

O Projeto Entre Serras e a ESAAix (Walking the Data) em parceria com Montanha  Magica* | Encontro Internacional sobre arte e território (2 de outubro a 9 de novembro 2018) das Universidades da Beira Interior e do País Basco, propõe uma oficina interdisciplinar para seis estudantes da ESAAix e nove estudantes da UBI.

De 29 de outubro a 3 de novembro, seis estudantes, quatro professores da ESAAix (Abraham Poincheval, performance | Jürgen Nefzger e Carlos Casteleira, fotografia | François Parra, som, multi media, projeto Walking The Data ) e nove estudantes da UBI com as professoras Rita Ochoa, arquitetura e Sara Velez Estevão,  design-multimédia e Francisco Paiva (curso Media Arte) vão explorar a paisagem de montanha, os mapas e o território da Covilhã, sua arquitetura, urbanismo e paisagens, entre ruralidade e urbanidade.

Este workshop apresenta-se como o primeiro ato de um Observatório – Laboratório da Paisagem que quer experimentar vários medias a disposição dos artistas (do som a fotografia, da experimentação a performance, do texto a coleta de dados e ao mapeamento …) para produzir paisagens. A abordagem pode ser háptica ou visual.

Os resultados deste workshop interdisciplinar (arquitetura |  fotografia | vídeo | som | desenho | performance | vídeo e cinema | multi-media | mapeamento) e Walking the Data, dispositivo de processamento de dados on-line, irão ser apresentados na New Hand Lab dia 3 de novembro as 20 h e integrarão a exposição do Projeto Entre Serras de 8 de outubro a 17 dezembro no Museu de Lanifícios da Universidade. Teremos outra proposta  com a residência artística de Rodrigo Braga que se inicia  « Agricultura da Imagem | Imagem da agricultura » exposição de 4 de Janeiro a 4 de março de 2019 no Museu Arqueológico do Fundão.

Professores | artistas : Abraham Poincheval (performance), François Parra (Walking the Data e som), Jürgen Nefzger e Carlos Casteleira (fotografia) da ESAAix e Rita Ochoa, Sara Esteves professoras dos departamentos de arquitetura, design multimédia e Francisco Paiva (Media Arte) da UBI

Estudantes : Nove estudantes de arquitetura e multi-media da UBI juntão-se aos seis estudantes da ESAAix.

ESAAix | Zixuan HE, Priscila LIMA, Lola DUBUS, Binjee LUAN, Leslie ASTIER, Angela MAYA

UBI Multi-media | Virgínia Garbin

UBI Arquitetura | Pedro Fernandes, António Diogo, Luis Gonçalo.

Os trabalhos realizados são apresentados no Museu dos Lanifícios e na New Hand Lab antecipando um Observatório – Laboratório da Paisagem (programa de pesquisa e constituição duma  base de dados multi media (fotografia, performance, som, vídeo, texto …) sobre o território e as paisagens em parceria com o programa de pesquisa  Walking the Data da Escola Superior de Arte de Aix en Provence.          

Desde os clássicos e símbolos míticos de Olimpo ou do Parnaso, a relevância civilizacional da montanha é reconhecida, encontrando ecos em muitos povos e religiões: como horizonte, eixo, centro, tecto do mundo, lugar de passagem, fronteira e encontro, mas também abismo. A montanha personifica um conjunto de valores e metáforas que transitam entre o visível e a experiência, entre o natural e o sobrenatural. Porém, as montanhas podem ser vistas apenas enquanto tal. Montanhas que, ao longo do tempo, inúmeros artistas foram revelando, através de processos mais ou menos complexos de representação, instalação ou interação.

A Covilhã, cidade pós-industrial, viu o seu tecido urbano, social e económico transformado no século passado e o início do século XXI. Convidamos os alunos (UBI e ESAAix) a explorar, haptica e visualmente, o seu meio ambiente, a sua história, a sua geografia e sua mineralidade, a evolução da indústria e da ruralidade, a sua sociedade inexoravelmente ligadas.

As antigas fábricas têxteis, os caminhos de transumância, as suas ribeiras e a energia que permitiram seu desenvolvimento desde o século XVIII, a própria cidade e sua urbanização, os espaços comerciais e as novas áreas residenciais, antigas áreas rurais e agrícolas, o centro da cidade antiga. As sucessivas revoluções industriais (vapor e mecanização, organização do trabalho (taylorismo) e eletricidade, seguidas mais recentemente pela globalização da informação digital e da comunicação) transformaram radicalmente a paisagem e a relação com a « natureza » na qual se alicerça a sociedade humana.

La Montagne Magique

Depuis les temps mythologiques de l’Olympe au Parnasse, l’importance civilisationnelle de la montagne a été reconnue, trouvant un écho, chez de nombreux peuples et religions, comme horizon, axe, centre, point de passage, de frontière et de rencontre, mais aussi comme abîme.

La montagne incarne un ensemble de valeurs et de métaphores qui se situent entre le visible et l’expérience, entre le naturel et le surnaturel. Les montagnes peuvent aussi être vues juste comme telles.

Covilhã, ville post industrielle a vu son tissu urbain, social et économique radicalement transformé au cours du dernier siècle et au début du XXIe. Nous invitons les étudiants, (UBI et ESAAix) à explorer, visuellement et haptiquement, l’environnement, son histoire, sa géographie et sa minéralité, l’évolution de l’industrie et de la ruralité inextricablement liées.

Les friches industrielles des usines textiles, les chemins de transhumance, les cours d’eau et l’énergie hydraulique qui ont permis leur développement depuis le XVIIIe siècle, la ville elle-même et son urbanisation, les espaces commerciaux et nouvelles zones d’habitation, autrefois zones rurales et agricole, et le noyau de la vieille ville, les révolutions industrielles successives (vapeur et mécanisation, organisation du travail (taylorisme) et électricité, suivies plus récemment par la mondialisation du numérique, de l’information et de la communication) ont radicalement transformé le paysage et notre relation à la  »nature » sur laquelle la société humaine c’est fondée.

Le Projet Entre Serras en partenariat avec Montagne Magique* : Rencontre internationale  Art et territoire organisé par l’Université de Beira Interior, Covilhã, Portugal (2 octobre – 9 novembre 2018), l’ESAAIX, et les Universités de Beira Interior et du Pays Basque, vous propose un workshop transdisiplinaire pour six étudiants de l’Esaaix et neuf étudiants de l’UBI autour du projet Walking the Data.

Durant le workshop du 29 oct. au 3 nov. les étudiants exploreront  la carte et le territoire  de Covilhã, son architecture, l’urbanisme et les paysages, entre ruralité et urbanité, d’un territoire de montagnes.

Ce workshop est aussi envisagé comme le premier acte de la création d’un Observatoire – Laboratoire du Paysage (photographie, expérimentations, cartographie et territoire).

L’approche pourra être haptique et visuelle.

Les travaux seront pensés en transdisciplinarité (architecture | cartographie| photographie | vidéo | son | performance | vidéo et cinéma | multimedia) et en relation avec le projet Walking The Data. Ils trouveront ainsi une place dans le dispositif de online Plotmap qui intégrera l’exposition du 7 octobre au 17 décembre au Musée de la Laine de l’Université) et à New Hand Lab puis du 4 Janvier au 4 Mars 2019 au Musée d’archéologie de la ville voisine de Fundão.

Les intervenants : Abraham Poincheval (performance), François Parra (Walking The Data et son), Jürgen Nefzger et Carlos Casteleira (photographie), ainsi que les professeurs Rita Ochoa et Sara Esteves des départements d’architecture, de design multimédia et de cinéma de l’UBI et Francisco Paiva de Media Art.

Etudiants : Neuf étudiants issus des départements cinéma, architecture et multimédia de l’UBI se joindrons aux six étudiants de l’ESAAix afin de travailler dans une approche transdisciplinaire seul ou en équipe.

ESAAix : Zixuan HE, Priscila LIMA, Lola DUBUS, Binjee LUAN, Leslie ASTIER, Angela MAYA

UBI | Multimédia Marta António, Virgínia Garbin, Thais Longaray

UBI | Architecture Marisa Lopes, Pedro Fernandes, António Diogo, Luis Gonçalo, Alicja Seklecka

UBI | Cinéma…

As ações do Projeto Entre Serras são promovidas pela Agencia de Desenvolvimento GARDUNHA 21 (programa iNature), com a parceria dos Municípios do Sabugal e do Fundão, das Aldeias de Xisto, das Aldeias de Montanha e do Consórcio dos Territórios do Côa..
O workshop e parcerias entre UBI e ESAAix são financiadas pela UBI, o programa ERASMUS, a ESAAix, o Ministerio da Cultura Francês (Walking the Data) e os apoios do PES, das Aldeias de Xisto, do Muslan e da New Hand Lab.
Publicités